Blogay

A contribuição dos gays, lésbicas e travestis para o mundo

 -

Blogay é editado pelo jornalista e roteirista Vitor Angelo

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Curador de seminário queer defende que ação pró LGBT deve ir além da defesa do Estado laico

Por Vitor Angelo

Pela primeira vez no Brasil é realizada um seminário sobre a teoria queer, no Sesc Vila Mariana, em São Paulo. Realizado nos dias 9 e 10 de setembro, conta com a presença Judith Butler, filósofa norte-americana e uma das precursoras da chamada deste pensamento que tenta, através de estudos da sexualidade, gênero e identidade de gênero, desconstruir normatividades. O interesse é tão grande que os ingressos foram esgotados (pode-se acompanhar as palestras e seminários ao vivo por este link aqui).

A Folha entrevistou por e-mail com o curador da I Seminário Queer: cultura e subversões das identidades, Richard Miskolci, 43, que é também sociólogo. Ele explicou um pouco da importância desta teoria, que ele prefere chamar de estudos, para certos entendimentos da realidade brasileira e criticou como ineficiente a defesa do Estado laico para confrontar o conservadorismo no país.

Clique aqui para saber da programação.

O sociólogo Richard Miskolci (Divulgação)
O sociólogo Richard Miskolci (Divulgação)

Blogay – Como o campo de atuação da chamada teoria queer?

Richard Miskolci – Os estudos queer são um conjunto amplo de pesquisas e reflexões acadêmicas que mostram a centralidade do desejo e da sexualidade na vida social. Essas investigações mostram e analisam a forma como nossa cultura impõe padrões de comportamento como a heterosexualidade. Também questionam os aparatos estatais, jurídicos e culturais que nos obrigam a seguir ferreamente uma relação linear entre sexo biológico, gênero, desejo e práticas sexuais. Em outras palavras, os estudos queer explicitam o caráter compulsório da heterosexualidade e como nossa sociedade pune a transitividade de gênero.

Quais são as novas fronteiras de pesquisa desta teoria?

Depende de cada contexto, no Brasil há a necessidade de pesquisar sexualidade e gênero sempre levando em consideração raça/etnia/cor, pois nossa sociedade criou uma matriz própria de compreensão e vivência da sexualidade e do desejo indissociável de nossa experiência histórica marcada pela escravidão.

Vivemos em uma cultura racializada, ou seja, na qual as pessoas têm sua posição social e direitos de acordo com sua origem étnico-racial ou cor da pele. À subalternização sexual se une também a racial, de forma que muitxs são duplamente estigmatizadxs, tornando-xs mais vulneráveis à violência cotidiana em nosso país.

Recentemente, tivemos o Plano Municipal de Educação da cidade de São Paulo e a questão de gênero foi “demonizada” por grupos religiosos defensores da chamada “família tradicional” (formado por um homem e uma mulher hétero) como apontada como “ideologia de gênero”. Como a teoria queer pode ajudar a combater estes termos mistificadores (família tradicional, ideologia de gênero…)?

A polêmica mostra que a sexualidade e o gênero estão no centro da política brasileira contemporânea, o que deveríamos comemorar. Nunca antes na história desse país, esses temas chamaram tanto a atenção de todos e todas.

A primeira coisa a fazer é não confundir esses grupos autoritários e fundamentalistas com qualquer religião. Os que lutam contra o que denominam erroneamente de “ideologia de gênero” são apenas grupos politicamente organizados que se utilizam de seus referenciais religiosos para disseminar discursos de ódio e preconceito. Há uma grande quantidade de católicos, evangélicos e de outras religiões que não concordam com eles e que podem se tornar parceiros na construção de uma sociedade que reconheça a igualdade entre homens e mulheres, a cidadania de homossexuais e os direitos de transexuais e travestis à transitividade de gênero. Pessoas realmente religiosas não pregam ódio tampouco caçam direitos alheios. Considero míope a estratégia de certos grupos ativistas de combater os conservadores demandando apenas o cumprimento da laicidade do Estado. O Estado é laico, mas a sociedade é religiosa e o embate político é nela. Não se trata de opor religiosos a dissidentes sexuais e de gênero, antes de compreender que faz parte da tradição judaico-cristã o respeito e o acolhimento do próximo. É na construção de solidariedades e alianças com os verdadeiramente religiosos que se pode vencer esses grupos organizados que pregam o ódio e o preconceito pela distorção da religião.

Em segundo lugar, é importante mapear esses grupos reacionários para os conhecer e chamar ao debate dentro dos preceitos da democracia que não reconhece discurso de ódio como liberdade de expressão. Salvo engano, o termo ideologia de gênero vem da obra de um radical católico argentino desacreditado em seu próprio país, mas cujo livro foi traduzido e publicado no Brasil por uma editora evangélica. Curiosamente, isso não impediu que sua obra se tornasse um best-seller entre certas correntes conservadoras católicas. A perseguição aos estudos de gênero, uma séria vertente científica de pesquisa, como se fosse apenas uma ideologia se trata de uma campanha política advinda da aliança entre grupos conservadores e autoritários de várias religiões, mas que – reitero – não representam a elas como um todo.

Por fim, a supressão do termo gênero dos planos de educação não significa que eles não manterão sua premissa básica de educar para o respeito aos direitos humanos. O que esses grupos quiseram fazer – e conseguiram – foi “apagar” o termo que os assusta e que eles demonizam como se isso retirasse da realidade as questões do desejo, da sexualidade e do gênero. É sintomático que tenham lutado para impedir a menção, apagar o termo, pois vivem a negação do que existe e não pode ser mais ignorado. A negação é uma fase, mas o tempo não para e o gênero está no cerne da vida social. Estão tentando tapar o sol com a peneira e adiar o inevitável: a profunda transformação social em curso na sociedade brasileira em que as mulheres cada vez mais ganham igualdade e protagonismo social, a homossexualidade visibilidade e direitos e as dissidências de gênero florescem apontando para um futuro em que todxs possam ser reconhecidxs plenamente por nossa sociedade.

Anúncio Seminário Queer

Blogs da Folha