Blogay

A contribuição dos gays, lésbicas e travestis para o mundo

 -

Blogay é editado pelo jornalista e roteirista Vitor Angelo

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

A homofobia nossa de cada dia

Por Vitor Angelo

A data de 17 de maio, considerado o Dia Internacional de Combate à Homofobia, ganha importância maior em nosso país em tempos que a Comissão dos Direitos Humanos e Minoria da Câmara quer aprovar um projeto de lei de “cura gay”.  Exatamente há 23 anos, a Organização Mundial de Saúde retirou a homossexualidade de seu catálogo de doenças.

O projeto do deputado João Campos (PSDB-GO), líder da bancada fundamentalista no Congresso Nacional, quer permitir que psicólogos voltem a fazer tratamentos reversivos em pacientes homossexuais.

A farsa é clara, os interessados querem arrancar mais dinheiro de pessoas que sofrem com os ataques homofóbicos incentivados por estes mesmos que dizem quererem curá-las. Mas a sabedoria popular que pergunta: “Você já viu cabeça de bacalhau, enterro de anão e ex-gay?” é a resposta a tanto obscurantismo. Algo no próprio senso comum percebe o engodo. Homossexuais bem resolvidos não precisam de tratamento, precisam apenas que tenham direitos iguais aos dos héteros, nem mais nem menos.

Protesto contra a homofobia e a transfobia convocado pela Comunidade Athos em frente ao Congresso Nacional (Divulgação/Facebook)

Sim, no dia de combate à homofobia – e não só nele – temos que perceber a homofobia institucionalizada no nosso Congresso ao propor que um projeto deste porte tramite com vigor pela casa. Mas não só o Legislativo transborda intolerâncias, talvez tão perigoso quanto é o silêncio nada inocente do Executivo. Dilma Rousseff, presa política, torturada e que teve apoio dos defensores dos direitos humanos, agora se cala. Os avanços dos direitos LGBT parecem só encontrar eco no Judiciário com a aprovação recente de que todos os cartórios devem realizar o casamento igualitário.

Mas esta briga entre os poderes mostra com clareza o Brasil que vivemos hoje. Um país que faz estudantes – de todas as orientações sexuais – vestirem saia em apoio ao colega que recebeu ofensas de cunho homofóbico e machista em rede social e os que enxergam nestes estudantes os desocupados. Este é o retrato de um país que balança entre o solidário e o mais mesquinho, que vomita picuinhas reacionárias. O Brasil que grita ‘viado’ como ofensa e o que fala ‘ô viado’ para o amigo como camaradagem.

É um momento delicado, os LGBTs não têm muito o que comemorar, mas sabemos que estamos no centro e no desenho do que no futuro poderá ser os cidadãos deste país.

Enquanto isso, na ONU:

[youtube lpNE7D5avXo nolink]

Blogs da Folha

Mais acessadas

Nada encontrado

Categorias

Publicidade
Publicidade
Publicidade