Blogay

A contribuição dos gays, lésbicas e travestis para o mundo

 -

Blogay é editado pelo jornalista e roteirista Vitor Angelo

Perfil completo

Publicidade
Publicidade

‘Vi a covardia e a coragem brigando na minha frente’, diz testemunha de agressão homofóbica em Pinheiros

Por Vitor Angelo

Mais uma agressão com caráter homofóbico na cidade de São Paulo. Na noite de segunda-feira, 3, o estudante de direito André Cardoso Gomes Baliera estava andando a pé quando foi xingado pelo personal trainer Diego Mosca, 29, e pelo empresário Bruno Portieri, 25, segundo informações da PM. Ao responder as ofensas, os dois deixaram o seu carro e agrediram fisicamente o rapaz que é assumidamente gay.

O estudante de direito André Cardoso Gomes Baliera que foi vítima de ataque homofóbico (Eduardo Knapp/Folhapress)

Mas o caso tem contornos muito diferentes de outras violências contra homossexuais ocorridas recentemente na cidade e no país. A mais importante é que não houve um pacto silencioso das testemunhas como em casos anteriores. Agora, muitas diante da violência e da força bruta tentaram impedir de alguma forma e não se incomodaram de testemunhar  para os policiais o ocorrido como ato de homofobia, algo que há pouco tempo parecia tão difícil de se qualificar, quase uma “paranoia de militante”. Percebeu-se pelas pessoas presentes, em suas retinas, e foi exemplificado pelo sangue e a covardia de dois fortões contra um o que é homofobia. Todas as testemunhas que deram depoimento para a imprensa afirmaram ser um ato homofóbico.

Mesmo a imprensa que costuma ser tão estatística e fria ao noticiar estes casos, se posicionou de forma indignada.  E por fim,  mesmo que paradoxal e cheio de preconceitos, muitos leitores e internautas detectaram no homofóbico um traço de homossexualidade enrustida. Apesar do gesto pejorativo e às vezes agressivo como resposta à violência dos dois fisiculturistas,  as pessoas começaram a perceber o valor de uma antiga tese: Que muitos dos homofóbicos têm uma sexualidade mal resolvida, podendo sim esconder uma possível homossexualidade.

Voltando ao primeiro tópico, o mais importante é sem dúvida a reação das testemunhas, estas não mais dentro de um discurso de “isto não é comigo” ou “apanhou porque mereceu (era bicha)”. A educadora Teca Soub estava no momento da agressão e relatou ao Blogay o que viu:

“Passei  no local na hora que os caras estavam começando a bater no André. Não vi as provocações verbais . Eram dois caras ‘musculosos’, sem camisa, correndo atrás de um rapaz e dando porrada sem nenhum temor. Primeiro, derrubaram o pacote que o André levava na mão e gritavam muito: ‘Viado tem que tomar porrada, vem aqui seu merdinha’. O André reagiu bem firme e enfrentou mandando tapa nos caras. Eu não consegui chegar perto deles, só gritava. Uma moça ao meu lado conseguiu ligar para a polícia, eu sai correndo atrás de algum policial que estivesse por perto. Às 18h40, os policiais chegaram e acalmaram a situação.

O André machucou a cabeça e teve ferimentos na mão. Isso tudo você já deve saber, o importante de contar é que ninguém apoiou os caras, todas as pessoas estavam horrorizadas com a enorme truculência . Chegou muita gente perto e fiquei ali, esperando ouvir algum comentário preconceituoso para meter a mão na cara (pior que é verdade, eu tive um ódio que nunca senti), mas, o melhor e mais emocionante, é que não rolou. Todos estavam indignados com a violência gratuita. É claro que só depois que a briga começou é que podemos sacar que era homofobia. Teve uma moça que gritava: ‘Isso tem que parar de acontecer, isso é preconceito’. Um frentista me disse que o policia tinha que ser firme porque ele já tinha visto isso acontecer na Henrique Schaumann muitas vezes.

Os policiais cercaram os dois caras e foram bem duros. André ficou se acalmando, alguém trouxe um banco. Todo mundo testemunhou a favor dele. Fiz questão de ficar por ali, dizendo pra todo mundo que chegava e queria saber o que aconteceu, ‘Não foi uma briga de trânsito, isso é homofobia porra!’.

Só sei que esse André é um cara admirável e eu tô muito impressionada com sua força moral. Foi muito duro, eu passei o dia inteiro lembrando da cena. Os caras são uns animais, só digo isso, aquilo não é gente não. Vi a covardia e a coragem brigando na minha frente. Viva o André!“

O relato prova que algo mudou e foi para melhor, mesmo que para isto – infelizmente – quase uma pessoa quase foi morta.

Blogs da Folha

Mais acessadas

Nada encontrado

Categorias

Publicidade
Publicidade
Publicidade