Blogay

A contribuição dos gays, lésbicas e travestis para o mundo

 -

Blogay é editado pelo jornalista e roteirista Vitor Angelo

Perfil completo

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Dono da revista “Playboy” sai em defesa dos homossexuais

Por Vitor Angelo

Os reacionários e o clima conservador que ronda o mundo e a América está preocupando o fundador da “Playboy”, Hugh Hefner, que escreveu um editorial na edição de setembro de  sua revista acusando os que tentam “atacar os direitos gay.”

“A luta pelo casamento gay é, na realidade, uma luta de todos pelos direitos humanos. Sem isso, vamos voltar para antes da revolução sexual e retornar a um tempo muito puritano. Hoje, em todas as instâncias, os direitos sexuais estão sofrendo ataques, você não cansa de encontrar pessoas que praticam a discriminação disfarçada de liberdade religiosa. Seu objetivo é desumanizar a sexualidade de todos e reduzir-nos a usar o sexo para o único propósito de perpetuar nossa espécie. O efeito disso: irão criminalizar toda a sua vida sexual”, alerta Hefner, o criador da famosa revista masculina adulta, voltada preferencialmente para o público heterossexual.

E acrescenta: “Atacam os direitos dos gays, seja para negar-lhes a possibilidade de se casar ou, como no Kansas, com a tentativa de capacitar proprietários, empresas e empregadores a discriminarem gays por razões religiosas.”

Ele também denuncia que, em alguns estados americanos, farmacêuticos podem negar às mulheres a pílula anticoncepcional, pois a lei garante que eles não podem ser ofendidos em suas crenças religiosas.

“Esta é uma nação religiosa, mas é também uma nação secular. Ninguém deveria ter de subjugar sua liberdade religiosa, e ninguém deve ter suas liberdades pessoais violadas. Esta é a América, e temos de proteger os direitos de todos os americanos.”

Este editorial de Hefner é importantíssimo, não só para os gays, mas para reafirmar todas as conquistas pós revolução sexual, assim como os direitos humanos.

Quando editores de revistas masculinas, ou a chamada pornografia,  começam a levantar a lebre – veja o conhecido caso de Larry Flynt que acabou virando até filme – é que, aí sim, a chamada liberdade de expressão está sendo ameaçada e não como muitos tolos que acreditam que ofender uma minoria é ser livre, quando estão sendo ainda mais domesticados pelo pior do senso comum.

Blogs da Folha